sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Para quem se pergunta o que é a crise dos media convencionais, aqui vai um exemplo

Através do blog Ouriquense tivemos conhecimento, arriscamos dizer, do mais consistente projecto crítico em literatura portuguesa, neste momento disponível aos leitores. O autor da referida obra crítica é o escritor Alberto Velho Nogueira, cuja existência desconhecíamos em absoluto (é inútil congeminar teorias) tal como não conhecemos pessoalmente o excelente autor do Ouriquense, responsável por fornecer de forma gratuita ao público, um índice de parte da referida obra crítica de Alberto Velho Nogueira,  remetendo ordeira e organizadamente os leitores, segundo títulos de livros e escritores, para a estimulante prosa crítica.

Um exemplo comprovativo, sobre o aclamado livro de Gonçalo M. Tavares, Uma Viagem à Índia:



Agora, pergunta este cansado autor que vos fala, o que andam a fazer os nossos jornalistas literários, com acesso a jornais e canais de televisão de médio e largo alcance, para só agora termos conhecimento deste blog e através do tenebroso mundo das redes sociais?

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Aquilo a que se chama a filosofia epistemológica

Kate Winslet:

Sai uma sandes de presunto e uma caneca de vinho verde (tinto) para este rapaz que se tem alimentado mal



1

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Televisão em movimento


Para lidar apropriadamente com a quantidade de ideias confusas lançadas nesta prosa poética, seria preciso uma verdadeira legião de autores com o dobro do meu gabarito intelectual e o triplo da minha energia literária, mas como bem sabe o público deste blog, nunca nos negamos ao confronto.

Subscrevemos a primeira afirmação, ou seja: a Cristina Ferreira não só é uma apresentadora de programas populistas da televisão portuguesa, como é também uma apresentadora de programas populistas da televisão portuguesa, sendo que a professora doutora camarada Paula Cosme Pinto, autora do artigo acima supracitado, considera que, em verdade vos digo, a Cristina que muito prezamos Ferreira é também (e passamos a citar, portanto, abrir - perdão - aspas): «uma grande estratega e empresária» e um símbolo vivo da «meritocracia». Recomendamos, neste momento, muita calma. Não vamos referir o investimento em horas de televisão por metro quadrado de área de construção em Malveira da Serra, mas queremos, contudo, dizer algumas palavras sobre gostar ou não gostar do tipo de programa que a Cristina Empresária Estratega Ferreira faz no pequeno ecrã: a relação entre o gosto, o valor comercial de uma marca e a capacidade de gerar audiências é um problema com capacidade para fritar os neurónios à doutora Paula Cosme Pinto, o que, bem tememos, talvez tenha acontecido. O programa é direccionado às massas, massas essas que, em verdade vos digo, concorrem para o sucesso da referida apresentadora, segundo o critério de aferição do que pode considerar-se, a preços de 2016, uma apresentadora de sucesso, ou seja, uma cavalona, digamos, de qualidade estratégica. Mas quantos anos de exposição mediática de homens com bigodinho pagos por uma televisão pública com monopólio da emissão seriam necessários para gerar o referido valor da muito justamente valorizada Cristina Ferreira? Seria justo começar por aqui.

Será que isto belisca a nossa consideração pela condição, digamos, feminina? En-ten-da-mo-nos, se queremos citar o camarada Francisco Louçã, pois o público bem sabe estar, no caso da minha pessoa, na presença de um autor que, inclusivamente, frequentou o mês de Maria, rezou o terço, ajoelhou muitas vezes diante da graciosa e imortal criatura, a estrela da manhã, o berço de virtudes, a cheia de graça, farol do desejo, graciosa mãe natureza, vulgo, a mulher.

Deixando de lado a melindrosa questão acerca do reverencial respeito com que eventualmente se possa misturar chavascal e consideração, perguntamos à doutora professora engenheira Paula Cosme Pinto, de que modo se consegue a atenção de milhões de pessoas sem o recurso a um canal de televisão e à companhia de um desde já por si, apresentador com a atenção de milhões de pessoas, vulgo, Manuel Luís com todo o respeito Goucha? De modo algum queremos aqui beliscar a honorabilidade da referida Cristina Tranca Ferreira, e tudo temos feito neste blogue para a salvaguardar dos vampiros da crítica literária, mas não levemos longe de mais o esforço de justiça, transformando esta questão num problema de índole, digamos, filosófica.

Pergunta, pois, e de lágrimas nos olhos, este famigerado autor que vos fala: quantos anónimos extenuados de trabalho, empenho, profissionalismo, tenacidade, capacidade de criar uma marca em torno de si próprios, continuam a limpar casas de banho ou a levantar graciosamente tabuleiros no centro comercial - com um máximo de televisiva simpatia, eloquência, competência, apetência, suavidade - sem que isso se traduza, digamos, num centésimo do valor conferido pelo sistema de preços, vulgo, carrocel circense em que vivemos? E isto apesar do valor estratégico com que levam o detergente às imundas casas de banho, ou da cabal responsabilidade com que encaminham os hóspedes à porta de um hotel.

No fundo, o Portugal dos pequeninos é o Portugal onde os pequeninos nunca podem, contudo, exteriorizar o seu ódio em paz, ou seja, apenas podem, no fundo, utilizar os recursos democraticamente postos à disposição pelo capitalismo libertário, para fundamentar os pilares da criação de riqueza, oleados pelo ódio (e o desejo) dos referidos pequeninos (quando não incomodam ninguém), e isto num continuado ciclo sofredor que faz as delícias dos doutorados em Economia austríaca com sotaque portuense. Na minha humilde opinião, este estado de coisas tem beneficiado muito pouco o público, no sentido em que as ineficiências de mercado (geradas por tiques de autoritarismo pedante) continuam a representar uma rigidez essencialmente frígida no que ao sistema de preços diz respeito. E isto significa que a valorização dos produtos - se continuamente condicionada por organizações centralizadas, como as televisões - continua a ser cavalgada por uma hierárquica, soviética, católica, apostólica, vitoriana, concepção do público enquanto conjunto de solteironas e solteirões (somos sensíveis às questões de género) muito pouco dados a, digamos, sair das suas, digamos, posições conservadoras, ou se quisermos, dos seus sofás. Vejamos, a título de medição do empenho, um excerto diarístico, da referida Cristina vulgo Ferreira:


Isto não justifica qualquer tipo de insulto, embora revele níveis de empenho e trabalho muito reduzidos, e por isso, convidamos os leitores a pensarem esta relação entre o sucesso da «estratega e empresária» Cristina vulgo Ferreira, e os «valores do trabalho, do empenho, do profissionalismo, da tenacidade, da capacidade de criar uma marca em torno de si própria, partindo do zero».

Na verdade, caríssima psicóloga engenheira doutora juíza Paula Cosme Pinto: não serão as razões do sucesso de Cristina Ferreira bem mais prosaicas (nomeadamente, sorte e tempo de antena) apesar de inteiramente legítimas? Que os projectos comerciais promovam o ódio é justamente compreensível, sobretudo quando milhares de pessoas com o triplo da inteligência e da capacidade de trabalho da Cristina Ferreira não beneficiam das suas condições, nomeadamente, a oportunidade como apresentadora da televisão, um trabalho que consideramos um justo castigo para todas as pessoas ambiciosas. Em suma, a consideração do intervalo entre as capacidades de Cristina Ferreira e a sua remuneração (directa e indirecta) justifica moralmente a difamação? Talvez não, mas seria mais fértil avançar para um enquadramento da referida difamação que não passasse pela consideração topológica e geométrica das pessoas. Entretanto, uma vez que a referida Cristina Ferreira está longe de ser caso único, recomendo ao público calma e paciência.

Por outro lado, e em verdade vos digo, toleramos todo o género de badalhoquice ao nível das cabeças de topo nos sistemas centralizados, mas quanto à liberdade de expressão no espaço público, alto lá, insultos é que não. Entretanto, está tudo bem, a Cristina Ferreira continuará a prosperar, sem revelar especial incómodo pelo ódio da turba de inquisidores, por estar plenamente consciente - e disto estamos também nós plenamente conscientes - da importância da turba na criação do valor de que a própria Cristina vulgo Ferreira se alimenta. Pode dizer-se que a bela e simpática Cristina Ferreira será nisto de um alcance mental a que justamente podemos colocar o epíteto de estratégico. Estou certo de que a mesma compreende cabalmente os insultos que, certamente, em dado momento da sua vida, também lhe terão passado pela cabeça, ou se não passaram, isso certamente se deveu a um particular benefício dos deuses da televisão. Temos pena que neste particular não seja acompanhada por mais pessoas. Por outro lado, o ódio do público nutre-se de uma justificada consciência da exploração das fragilidades civilizacionais, o que de modo algum deve ser negligenciado pelo público, sendo que, digamos, está tudo bem. Que os medíocres colunistas do Expresso ou do Diário de Notícias julguem importante insultar o público dado a insultos, é apenas um sinal de que, digamos, também está tudo bem.

© Revista Cristina

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Tudo o que tu quiseres

A julgar pelas informações continuamente despejadas pelo Facebook sobre as nossas cabeças, os jovens escritores aclamados pela crítica fazem Like, em todos os textos de estrelas emergentes, vulgo, a Alexandra Lucas Espectacularmente Coelho, com toda a sua eloquência supostamente pop, não faltando a nossa sacerdotiza inatingível, a imortalmente bela, a doutora Inês Fonseca Santos. Temos vindo a colocar esta questão do star system, vulgo, amiguismo, seguidismo, surrealismo, sem contudo obter qualquer tipo de resposta. O que nos diz esta escassa informação sobre o mundo em que vivemos? Nada, somos apenas escritores (risos) a tentar viver das suas mais singelas capacidades, a saber, o uso da inteligência,  a saber, uma coisa tão pouco escassa quanto qualquer outro dos humanos atributos, nomeadamente, um pastor chamando as ovelhas, um taxista palitando os dentes, um bombeiro coçando a urgente micose, um lojista vendendo a sua fruta, uma produtora de televisão com os seus lábios maravilhosamente untados com bâton, se for o Curto Circuito da SIC Radical, digamos, friamente, uma bela, uma belíssima rapariga, embora desligada dos frágeis mecanismos das relações (pausa) humanas, o que só podemos compreender, perfeitamente, e em toda a sua plenitude, tendo em conta as calças de cintura (trau) subida, ou seja, os ténis dourados da referida produtora, não apagam, facilmente, o cansaço de uma vida ao serviço do sucesso.

Ocorre-me indagar, pois, qual a razão do sucesso de Pedro Chagas Freitas? Só pode ser, numa palavra, a condição tão humanamente humana das pessoas, tão humana quanto no tempo de Fernandinho Nogueira, o tótó, Pessoa (ainda assim, remetemos o leitor para a miséria do historicismo), uma época em que, tal como a nossa, os familiares da Rita Ferro - da qual ilibamos os seus descendentes humanos de inegável sucesso - estavam prestes a colaborar na entronização de uma solução política de tendência, digamos, anti-democrática, anti-popular, anti-desenvolvimentista (saudações ao camarada José Neves) e anti-digamos, PUM. E isto, sem, no entanto, beliscar o futuro comercial de qualquer projecto editorial, no fundo, aos famosos será mais fácil ter sucesso editorial do que entrar no reino nos céus, o que só pode constituir motivo de esperança para o mundo dos vivos. Seremos camelos ou não seremos. Gostamos muito de sol, aguentamos a extensão do caminho, estamos conscientes da nossa responsabilidade, a saber, constituir um acidente estatístico, ou se quisermos, um milagre, no fundo, aquilo que faz da natureza o particular atributo da natureza, a saber, um espaço contínuo onde os milagres, a preço de sangue e lágrimas, são obrigados a cavar o seu glorioso caminho.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Sentir

20131013_202620

Segundo consta, a autora Cristina Ferreira terá vendido 15 000 livros em três dias, uma marca considerável para o Portugal leitor. Isto, escassos dias depois de Valter Hugo Mãe ter procurado cantar um fado num programa de televisão, no Brasil, seguido por muitos milhões de brasileiros. Não estou inteiramente seguro da relação entre estes dois imponentes eventos, mas o grande livro da natureza terá algures uma linha onde se explica a relação entre o desejo das pessoas e a infinita generosidade das pessoas, uma linha passível de ser representada matematicamente, no sentido de tranquilizar as mentes mais indignadas perante o curso da história. Entretanto, recomendo calma a toda gente. Vai tudo correr bem.


Neste sentido, não há nenhuma evidência no sentido de considerar que uma pessoa gostar de ver gajas na internet seja sinal de superficialidade



Antes pelo contrário, os instintos funcionam a níveis, para utilizar linguagem freudiana, bastante profundos, ainda que não tenhamos qualquer pejo em afirmar que os instintos, por si só, nada explicam, sendo necessário colocar no terreno, para estudo empírico-teórico, toda a parafernália de experiências linguístico-mentais, a que por vezes se dá o pomposo nome de literatura. A psicanálise bem tentou colocar ordem neste albergue espanhol, mas acabou a fazer programas de rádio com mulheres maduras, por sinal, de voz bastante atraente.

Consideramos que recorrer ao conceito de superficialidade para comentar as redes sociais é uma das coisas mais superficiais de todos os tempos

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

No fundo, no fundo, o escritor contemporâneo (com sucesso junto das elites) é um gajo que não aguenta a pressão do progresso

«Chega a ser proibido
O que os meus sentidos
Me dizem em segredo
Para eu fazer contigo»

Mickael Carreira, Tudo o que tu quiseres

Vamos falar de catequese, vulgo, literatura contemporânea, elites, jornalismo cultural, investigação em letras financiada pelo Estado, vamos falar de pedantice, vamos falar de tempo livre, vamos falar de autonomia e liberdade moral, vamos falar de desorientação e ilusão, vamos falar de ideologia universitária e sobranceria moral, vamos falar de pseudo-hegemonia cultural e decadência, vamos falar de um certo descontrolo verbal, vamos falar de imediatismo e preconceito, vamos falar de amor: o mais maravilhosamente plastificado dos conceitos.





















Este excerto chegou-me numa outra rede social e pertence ao aclamado livro de Valério Romão, Autismo. Curiosamente, o autismo é uma patologia tornada visível numa civilização onde domina a cultura hipnótica, repetitiva e obsessiva do alfabeto, e da normalização da linguagem - e por isso, do comportamento - com o seu belo corolário artificial, o livro impresso. Com grande perplexidade seguimos a sinuosa prosa deste autor e não pudemos deixar de alinhavar algumas notas: pelos vistos, a segunda pergunta deste excerto, quer saber se o desejo é um atributo guiado de tal forma que um dado objecto a desejar exclui todas as outras hipóteses de satisfação. Como bem sabemos, ou deveríamos saber, o funcionamento da natureza não corresponde a uma mera repetição das limitadas capacidades humanas. Será necessário utilizar o raciocínio para fazer escolhas, mais ou menos exigentes do ponto de vista das vaginas ou dos pénis com os quais queremos relações de uma considerável, digamos com o Professor Doutor Valério, urgência.

Diria que se estas gentes «se aprontam a meter a picha onde Fellini nunca ousou meter a câmara», para além da péssima imagem, seria motivo para que as referidas gentes merecessem a nossa admiração artística. Sobre a alma, remeto o leitor e a leitora para o catecismo da Igreja Católica, não sou um especialista em metafísica, deixo isso ao critério dos poetas. Por outro lado, não vejo qual a relação entre neurotransmissores, publicidade, maquilhagem e a existência de quaisquer problemas na fornicação de fantasmas, com os quais não devemos excluir à partida o contacto físico, isto se os referidos fantasmas cumprirem os preceitos da elevada lei moral Kantiana, e corresponderem ao nosso juízo estético e moral em torno de uma, digamos, certa ideia de prazer. Mas agora é proibido manter relações sexuais sem estar devidamente apaixonado? Em que universo paralelo a paixão é um fenómeno menos artificial do que a indústria dos cosméticos? Ainda que admitamos um certo automatismo na ideia de desejo, quantas calorias serão necessárias ao trabalho da imaginação para converter uma simples e frágil impressão no poderoso império da paixão?

Apetece-nos recorrer aqui a Mickael Carreira, «O teu corpo é tudo o que vejo» sendo que a passagem das impressões do corpo a uma ideia de paixão mental, só é possível com o concurso de  todos os artificialismos morais, da família cristã ao sadomasoquismo, consoante a maravilhosa e diferenciada cabeça do apaixonado, que é sempre fruto de uma esforçada narrativa, se quisermos utilizar uma expressão cara ao engenheiro José Sócrates.  No fundo, a aclamada literatura (um produto circunstancial da derrota universitária das Humanidades) é a continuação, por outros meios, da cansativa e extenuada catequese vitoriana. Valha-nos Deus.

Resultado de imagem para Sophie Dee

Como apreciadores da beleza agressiva, gostamos imenso de livros.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Toy, Levinas ou Blanchot: isto não é uma daquelas merdas para ter piada, aqui falamos muito a sério, ou seja, metemos o nosso pescoço nos carris onde passa impiedoso o mortal comboio da história

C’est dans cette perspective que Maurice Blanchot avançait cette formule admirable de précision et de grâce : « les amants sont ensemble, mais pas encore ». L’amour semble n’offrir qu’une illusion de plénitude. Il dépouille l’Autre qui lui est de fait impénétrable. D’où le paradoxe. Moins qu’une entreprise de destruction de l’Autre, l’amour serait une vaine passion, l’amour essaye de dompter une figure opaque, insensible à la caresse. L’amour est un investissement éperdu, une étrange ascèse, une marche vers l’invisible. Le toi du « je t’aime » n’est jamais mon contemporain. Terminons avec Levinas : Je l’ai choisie pour ce qu’elle avait de merveilleux, de spécial, ou d’unique ; maintenant, « j’aime en elle non pas une qualité différente de toutes les autres mais la qualité même de la différence ». Elle a beaucoup changé.

Mas também seria possível recorrer a Herberto Helder, o poetastro:

De meu recente coração a vida inteira sobe,
o povo renasce,
o tempo ganha a alma. Meu desejo devora
a flor do vinho, envolve tuas ancas com uma espuma
de crepúsculos e crateras.
Ó pensada corola de linho, mulher que a fome
encanta pela noite equilibrada, imponderável -
em cada espasmo eu morrerei contigo.

E à alegria diurna descerro as mãos. Perde-se
entre a nuvem e o arbusto o cheiro acre e puro
da tua entrega. Bichos inclinam-se
para dentro do sono, levantam-se rosas respirando
contra o ar. Tua voz canta
o horto e a água - e eu caminho pelas ruas frias com
o lento desejo do teu corpo.
Beijarei em ti a vida enorme, e em cada espasmo


eu morrerei contigo.

Uma espuma de crepúsculos e crateras? A fome encanta? Talvez, talvez, em todo o caso, neste final, é Toy quem triunfa, o poeta sente-se intoxicado pela pirotecnia de imagens bizarras (para não dizemos burguesas) e converte-se aos encantos da utilidade, no fundo, sente os limites da racionalidade e encara a língua de frente, assume corajosamente a sua pobre condição de pessoa que acabou a viver da única coisa que lhe foi possível manejar com uma certa distinção, a língua: «Beijarei em ti a vida enorme, e em cada espasmo eu morrerei contigo.» Ainda que não estejamos certos de que o poeta esteja disposto a morrer por uma gaja, não sabemos, apesar de tudo, o Toy parece mais convincente. Posto isto, venho informar o público sobre a espectacular sabedoria democrática das nossas vidas empurradas umas contra as outras, de onde tem resultado uma esforçada mas inequívoca marcha em sentido de um Kantiano e germânico progresso. Quer isto dizer que o caminho é fácil? De modo nenhum, se fosse fácil era para os outros. Como diria Rui Vitória, não estou nada focado nesse tipo de coisas, é preciso encarar cada jogo com seriedade e ter alegria em jogar, mas que isto não nos distraia das nossas responsabilidades, o progresso, atentos aos sinais do grupo, do colectivo, da soma desta maravilhosa espécie a que pertencemos e temos orgulho em pertencer. Como sinal e prova dos fundamentos pelos quais norteamos as nossas decisões aqui fica o exemplo. Podemos interpretar o amor à luz dos textos de Blanchot, ou podemos ouvir Toy que diz - o senhor, a natureza, a humanidade e a semiótica sejam louvados - a mesmíssima coisa de forma mais económica, mais democrática, mais transparente, mais exígua e travejada, numa palavra, de forma mais racional.

Porque é que eu vou ao teu encontro se nem me vês/ porque é que me arranjo e me apronto, fico a teus pés/ (L’amour semble n’offrir qu’une illusion de plénitude) vou fingindo que até nem percebo que te sou indiferente/ E apenas por uma palavra que tu me dirijas, eu fico contente/ Porque é que eu prometo a mim mesmo não mais te ver/ e no dia seguinte procuro me convencer/ porque ainda é possível quem sabe, voltar a ter carinho/ nessa esperança procuro falar-te mas acabo sozinho/ (Il dépouille l’Autre qui lui est de fait impénétrable) Estupidamente apaixonado (D’où le paradoxe) quem me manda ser assim/ a culpa é minha por sofrer (l’amour serait une vaine passion, l’amour essaye de dompter une figure opaque, insensible à la caresse) com a mania de viver à espera que gostes de mim/ estupidamente apaixonado 
é mais forte do que eu/ tenho a certeza vou deixar a vida inteira para te amar porque o meu coração é teu. Terminons avec Levinas (j’aime en elle non pas une qualité différente de toutes les autres mais la qualité même de la différence).

A quem explicar a diferença entre o José Maria Varia Mendes e o Pedro Chagas Freitas, ficaremos eterna e penhoradamente agradecidos e ofereceremos um disco de Toy.

A Inês Fonseca Santos (aguilhão torturante das nossas manhãs, sacerdotisa do nosso ofício de viver, farol do nosso desgovernado desejo, pináculo de todos os nossos esforços catedralícios para sermos pessoas reconhecidamente pessoas) entrevistou mais um monumento de emoção, sensação, tentação, absorção, o grande, o único, o profundo, José Maria Vieira Mendes, autor das linhas que se vão seguir:

«Prefiro assim. Detesto perceber as pessoas. As pessoas que percebes não têm piada nenhuma. Normalmente são pessoas que não são pessoas. Quer dizer, são pessoas que são assim uma imagem de qualquer coisa que elas imaginam que é uma pessoa. Pessoas que se querem fazer perceber. Não consigo perceber. Não consigo perceber essa necessidade. E portanto também não percebo essas pessoas. Se calhar é como não te perceber a ti. Mas não é a mesma coisa. É diferente, é. Não sei explicar melhor do que isto.»


sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Apesar de todos os acontecimentos histórico-histéricos, nós, os verdadeiramente derrotados, vamos continuar a manter níveis de calma em posições espectacularmente elevadas

Professor Lord's book, like the studies of Milman Parry, is quite natural and appropriate to our electric age, as The Gutenberg Galaxy may help to explain. We are today as far into the electric age as the Elizabethans had advanced into the typographical and mechanical age. And we are experiencing the same confusions and indecisions which they had felt when living simultaneously in two contrasted forms of society and experience. marshall mcluhan, gutenberg galaxy, 1962



the-complete-works-of-william-shakespeare-parody

terça-feira, 8 de novembro de 2016

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

A pedido de um comentador anónimo (tendo em conta o nosso já lendário respeito pelo público trauliteiro e enigmaticamente genial deste blog) vimos por este meio esclarecer quem é a Inês Fonseca Santos

Resultado de imagem para inês fonseca santos


O texto é do Manuel António Pina (mas o sublinhado é nosso).

An allegory of the defeat, ou seja, o Elogio da Derrota, a espalhar magia desde 2007 ou uma cena assim, já não me lembro quando decidimos fundar este bastião em defesa do esclarecimento, da felicidade e da concórdia humana. Devo ainda informar que a referida autora tem um poema onde alude a Jonas, no nosso entender, uma prefiguração epifânica do goleador brasileiro - com frequência da licenciatura em Farmácia - e actual atleta do Sport Lisboa e Benfica, por sinal, instituição que ocupa o primeiro (e mais distinto) lugar da Liga Profissional de Futebol em Portugal, Viva a Poesia.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Nesta mensagem encriptada está o segredo da vida e da morte, do centro e da periferia, da construção do ser em si, para ti e para mim, no fundo, para todos nós, os tocadores de bombo

Peço desculpa aos leitores pelo que vai seguir-se, a saber, a Sinopse de um livro recentemente publicado, o Dançarino Subtil, e sem mais, trau:



O leitor sente-se bem? Procure uma cadeira, feche os olhos, dentro de momentos voltará a sentir a normalidade do mundo em que vivemos. Talvez por enquanto sinta ainda uma forte vertigem, como se uma mão invisível o tivesse agarrado pelo pescoço. Um vertigem, sem dúvida, podemos mesmo falar num certo efeito de absorção ao contrário, ou melhor dito, numa espiral de ideias e propostas de leitura em que a pessoa desprevenida é agitada, que digo eu, é sacudida de cabeça para baixo, até avistar círculos concêntricos centrais e periféricos, com patinadoras francesas a recitar o Levítico em grego, altura em que aparece um poeta alemão do século XVIII, nu da cintura para baixo, declarando a morte do realismo, recomendando a depuração da morte (com soda cáustica ou ácido muriático) ou no caso de não ser possível depurar a morte (a morte às vezes está indisponível a tricotar umas meias para os netos) recomendando ao leitor uma modificação da identidade (por uns módicos 17,91 euros) ou se o leitor quiser pagar mais, um memento ético-religioso, o que não recomendamos por causa do fígado.

Respiremos fundo e tentemos em primeiro lugar lidar com o conceito de autoimunidade da democracia: portanto, a democracia seria um sistema com tendência para utilizar mecanismos imunitários contra agentes do próprio sistema. Mas quais mecanismos? Os legítimos ou ilegítimos? Partimos do princípio que ilegítimos se utilizamos aqui uma patologia, o que nos obrigaria a lidar com o conceito de normalidade ou saúde em sistemas políticos, e estaríamos com um pé no fascismo, pelo que a autora deste livro, como se vê pela sinopse, não faz a mínima ideia do que pretende dizer. Não bastaram 2500 anos de más metáforas biológicas a lançar a confusão sobre a política, embora nessa época, servisse de desculpa o estado incipiente dos conhecimentos em Biologia. Agora temos analfabetos científicos (tanto em Biologia como em Política) a fazerem salada russa de conceitos, vendendo esta refeição estragada por 17,91 euros. 

Não vou entrar na apreciação crítica da obra de Gonçalo M. Tavares e já por diversas vezes considerei ser justo reconhecer a Tavares um mérito razoável, não por qualquer relação com um suposto desafio da racionalidade ou confronto com a cultura científica mas porque revela preocupação com o rigor da metáfora, embora esse rigor não esteja ao serviço de coisa nenhuma a não ser o carrinho de compras repleto de banalidades filosóficas que vai buscar a intelectuais pós-modernos, sendo esse - na minha humilde opinião - o seu grande problema. Tavares é filho da confusão que pretende combater. Não se conseguiu orientar no pensamento, formou-se no pechisbeque filosófico contemporâneo (razão pela qual foi parar à Motricidade Humana e não à Filosofia). Tavares é um tipo a quem tudo correu socialmente bem (emprego, fama) e por isso, não há sombra de protesto (para utilizar a imagem de Tchékov) e por isso, é incapaz de assumir ou alimentar uma ideia política, acabando por se dedicar por inteiro à descrição do vazio (o que seria um projecto legítimo e até aliciante) se não fosse vendido como lucidez, mas sim apresentado como sátira de si próprio (um académico violentamente publicado que diz ter perdido o mapa). Contudo, caros amigos, é preciso muita confiança no próprio sistema nervoso para abraçar um projecto de auto-satirização, e por isso, a literatura acontece tão raramente (e digo isto para o leitor não ir daqui de mãos vazias). 

Talvez essa descrição pomposa (e até pedante) do vazio filosófico e literário contemporâneo (as boas cabeças vão quase todas atrás de bons empregos para cursos de base tecnológica e científica), seja a razão do grande interesse suscitado numa legião de académicos com ambições literárias mas sem qualquer talento para escrever (como é o caso da autora em apreço) uma multidão de intelectuais excluídos e desorientados em face do triunfo económico e político da tecnologia e da ciência modernas, intelectuais incapazes de se voltarem para uma literatura mais comprometida com o sofrimento por lhes cheirar a neo-realismo. 

Na verdade, há uma legião de intelectuais que adora o glamour tecnológico mas não compreendendo a beleza da ciência, cospem no prato onde comem, ladrando todos os dias contra o comboio, incapazes de perceber que se aprende mais sobre a crítica da tecnologia e da ciência numa página de Kant ou Rousseau do que em toda a obra de Gonçalo M. Tavares. Mas para quem abandonou a matemática no 9º ano, a prosa de Tavares cheira a «ciência» social, e no terreno da «escrita» e da errância (onde não há regras formais) talvez seja possível finalmente vencer um (ao menos um) combate contra o sistema.

A finalizar, um exemplo de como Tavares laborava (esperemos que já não labore, o texto é de 2004) numa espécie de filosofia do gajo privilegiado que se julga muito inteligente:

E o que me parece é que só podemos treinar e desenvolver a lucidez em tempos tranquilos, afastados portanto da guerra ou das grandes tragédias. Porque nestas situações limite temos de agir com urgência. Agir. Todos nós temos então de agradecer não sermos obrigados a agir constantemente em situações limite. E uma forma de agradecer é aproveitarmos bem esse tempo. Treinar a musculação da lucidez é uma boa hipótese para aproveitar o tempo, parece-me.

Portanto, nada mais claro. A literatura é para quem anda tranquilo, ou seja, é para o académico, porque não precisa de agir. Guerras ou grandes tragédias não são compatíveis com lucidez, sendo que aproveitar bem o tempo, é treinar a musculação da lucidez, contando que alguém vai lavar a roupa e fazer a comida, despejar o lixo, aturar as crianças na escola, ocupar os balcões das lojas, as linhas de montagem das fábricas, os andaimes da construção.

Quando à sinopse, talvez tenha sido escrita pelo editor (embriagado) e a autora não tenha culpa. Ora, tomem lá mais um excerto da autora de O Dançarino Subtil:

O Senhor Gonçalo M. Tavares é um poeta que parece não necessitar mais, minimamente, de qualquer ideia de verso ou de linha ou de frase, esta discussão não é mais a sua. É um poeta que sugere, contra e com o cogito, a hesitação e a emergência. A sua questão, ou propósito, é emergir o espírito livre na figuração errante de um dançarino sutil em meio a uma escrita oscilante, errante, que se pretende uma dança investigativa das conexões mais equivocadas e certeiras entre a existência e a linguagem.

Meus caros amigos, o sublinhado é meu, e deixa-me deprimido, preocupado com o que andamos todos aqui a fazer, contra e com o cogito. Boa sorte a todos os que entre a hesitação e a emergência, gostando de livros, ainda precisam de investigar as conexões entre o saldo bancário e as contas a pagar.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Humanidade de Humano, isto é, coisas que por vezes nos retiram do enquadramento racional pelo qual pautamos toda a nossa existência


Alegadamente esta prosa poética (trau) é do grande camarada Gonçalo M. de Maricas Tavares e estou fodido com esta merda, apenas por minha culpa, minha tão grande culpa e peço à virgem Maria que venha esclarecer o auditório sobre a seguinte questão, a saber, dois pontos, ou seja (:)

Então a Matemática tem possibilidade de acertar muito? Saberá o senhor teu Deus quantas horas de estudo e trabalho são necessárias até se produzir alguma coisa de relevante reconhecidamente conhecida e consagrada no reino da matemática? As possibilidades da Matemática acertar não são melhores, nem piores, são mais difíceis, pelo menos num universo cuja unidade de medida sejam as calorias consumidas em actividade intelectual a dividir pela quantidade de tempo, isto é, na Matemática é mais raro aparecer um gajo com alguma coisa de novo para dizer, devido à estrutural e utilitária natureza desse mesmo saber, havendo mais gado no curral, os bodes são obrigados a trabalhar mais e melhor, isto não excluindo a natureza natural do ponto de partida (ou seja, o povo diz, o jeito) sendo que muito ou pouco são conceitos relativos, quer dizer que a cada um a sua cruz, ou seja, quer dizer que raridade é o contrário de abundância, abundância de bunda, isto é, cus de judas, escambal, ou o caralhinho, ou seja, cena difícil de suportar, como sabemos, Judas enforcou-se por trinta dinheiros, um valor de peso e quantidade indeterminada (dada a natureza entrópica do tempo) cuja solução, análise, incluiria um grupo de competências matemáticas e científicas, a fim de obter uma equivalência de custo em dólares de 2016. Já a escrita (escrita de escrever, de foder, de errar, de bajular) permite errar muito, ou seja, é o reino dos coitadinhos, é o país dos gajos que tendo qualquer coisa de inteligência, não chega a ser o suficiente para enriquecer em paz de espírito e comer as gajas suficientes sem ser necessário andar a visitar todas as capelas.

A ideia de mapa é uma ideia de utilidade social, olha o gajo, julgando que estamos todos a dormir, o gajo perdeu o mapa e é traduzido em trinta línguas, finalista do prémio Femina e professor senhor doutor catedrático na Universidade, então quanto aos gajos que como eu andam aos coices com o Orçamento de Estado a mendigar euros, perderam o quê? Perderam a dignidade, a humanidade, a qualidade de pessoas especializadas em parecer pessoas.

Quanto aos instintos mereceriam outra nota explicativa mas calma camaradas, eu bem sei quanto de mim neste momento arde de ressabiamento - naturalmente mais natural do que o instinto, a raiva, a raiva é muito humana - ou de inveja, ou de inclinação (infantil, adolescente, decadente) agressiva - talvez por infelicidade, talvez por coragem mental, talvez por indigência disciplinar, talvez por defeito de fabrico, talvez por casual bebedeira, talvez por que me apetece, talvez porque faça falta animar a malta, talvez porque sagradas são as armas quando só nelas reside  a esperança, talvez porque é preciso esmagar os orgulhosos, talvez porque seja importante o amor, talvez porque o que importa não é a literatura, mas chamar o gerente e dizer, senhor gerente este galão está frio, talvez porque esteja tudo bem, quando os mestres convocam os seus discípulos para a oração, talvez porque o reino de Deus esteja próximo, talvez porque no fundo, no fundo, para lá de quem me ama, privadamente, intimamente, sei bem que não preciso da literatura, nem dos vomitórios, não quero discípulos, nem festas de conjunto e tenho horror a celebrações, isto é, sou um gajo que gosta de acertar.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

O Hamlet não existe, o Capitão Ahab não existe, o D. Quixote não existe, mas a gente gosta deles na mesma

Na inauguração de uma loja Fnac num conhecido centro comercial da periferia de Lisboa, este autor que vos escreve teve o privilégio de ir representar uma agremiação associativa, juntamente com outras forças vivas da terra, bombeiros voluntários e junta de freguesia, um evento, confesso, um tanto bizarro. Foi como transladar uma procissão do Senhor dos Passos com andor, bandeiras, meninas vestidas de anjinho e bombeiros de capacete reluzente para o Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia do senhor engenheiro, o camarada António Mexia. Na verdade, os padrinhos culturais da dita loja Fnac foram a bonita e simpática Carminho e o inteligente e feíssimo Mário de Carvalho, que a dado momento, instado a falar, produziu uma vistosa peça de oratória, do alto do seu ar inquisitorial: «o livro não é um produto mas uma criação do espírito humano». Este autor ia caindo ao chão. Ora, afinal, a literatura não é um negócio, não é uma arena de luta encarniçada pelo reconhecimento, não é um concurso de reputação, a literatura é um diálogo a bem da paz no mundo e da erradicação da fome em África.

Depois das variadas Igrejas e Seitas consequentes, ninguém como os escritores e respectivos coitos, as editoras, tem feito tanto pela mistificação dessa tragédia humana: a selecção sexual por via da carteira recheada. O problema não é tanto a carteira recheada, pois a carteira dos escritores anda quase sempre vazia, o problema é a facilidade com que o escritor, sempre que por acaso se enche a sua carteira, perde a cabeça e se atira para uma qualquer oração piedosa, correndo a esconder - esmagado pela vergonha - a natural parte de saudável negócio em tudo isto. O escritor podia poupar-se a estas figuras se, antecipadamente, compreendesse o quanto o livro (e sobretudo o Romance), seja no formato material, seja no formato semântico, é o resultado de mais de cinco séculos de próspero comércio.

Com efeito, o caso de Elena Ferrante merece ainda duas ou três palavras. Elena Ferrante estabeleceu um contrato quando assumiu uma personalidade falsa e resolveu desaparecer, no momento em que os seus livros eram colocados à venda nos mais variados locais de comércio livre e comentados nos mais diferenciados meios de comunicação. O público pagante - não consta que os livros tenham sido oferecidos - acorreu à chamada e entrou no jogo: se alguém se esconde, instiga imediatamente o instinto da caça, mecanismo (como já dissemos) sobejamente conhecido e legítimo. Se Elena Ferrante não queria ser importunada, bastava não publicar os seus livros, nem se dirigir a um público. Outra hipótese seria assinar em nome próprio e ainda hoje estaria, provavelmente, a fazer traduções obscuras algures em Roma. Acontece que Ferrante estava metida no negócio da literatura até à ponta dos cabelos, conhecia provavelmente editores e jornalistas, críticos e apresentadores de televisão, proprietários de livrarias e cabeleireiros com interesse na literatura e quis forjar uma persona, solitária, lutadora, angustiada, desinteressada, fora desse mundo intelectual odiado pelo cidadão comum, o que apenas demonstra uma profunda inteligência e uma certa desconfiança na capacidade dos seus livros se aguentarem publicamente sem uma encenação. Ferrante sabia naturalmente como estaria condenada ao desastre, mal fosse apresentada como literata. Não haveria «história» para vender o livro, e sem «história», o livro e o autor estariam provavelmente condenados ao fracasso durante várias décadas. James Wood mordeu o isco e forjou a história: Ferrante, a mulher mistério. Plim, plim, plim, plim.

Passemos então ao jogo da encenação em concreto e o que nos diz sobre a absoluta falência da literatura, no fundo, sobre o declínio da mentira. Têm sido muitos os textos publicados em defesa da privacidade de Ferrante e poucos os textos a arriscar uma interpretação lúcida do que está em jogo. Na verdade, os leitores/críticos/escritores adeptos de Ferrante correram angustiados em defesa do direito da escritora à sua privacidade. No fundo, parecem crianças a quem um adulto cruel contou a verdade sobre as vassouras voadoras das bruxas. Com efeito, já ninguém acredita na literatura, desde a patologicamente entediante e estéril empresa levada a cabo pelo cabeludo norueguês, Karl Ove Knausgård, até este lamentável caso Ferrante. Importa tudo menos a arte de dizer coisas com interesse de forma interessante.

Muitos críticos mostram-se chocados pela exposição pública da encenação Ferrante, mas se o livro é uma criação poderosa não vejo em que possa ser prejudicado pelo facto de sabermos que Ferrante afinal é uma senhora de meia-idade com aspecto de quem gere uma retrosaria e anda a comprar casas de milhões em Roma. Ou se calhar, Ferrante, no fundo, pratica auto-ajuda para pessoas com licenciatura, e os seus leitores poderão não gostar de saber que, afinal, não vai tudo correr bem, pois Ferrante não é uma mulher deslumbrante magoada pela vida. É uma ligeiramente obesa tradutora de literatura alemã - que ninguém leu - e nada em dinheiro. Mas não sejamos tão básicos.

Welcom in WaveScore! See super video and register! Sing Up: http://wavescore.com/gold24 WaveScore Social Media Monetization Follow me! Earn Money!:
Elenas Ferrantes, à escolha dos estimados leitores.



Tudo isto é pueril, tudo isto é fado, tudo isto é Bruno de Carvalho vintage, tudo isto é até um pouco ridículo. Não vejo porque razão não conseguirá Ferrante escrever sem anonimato. Se Ferrante quiser aceitar um conselho do velho Alf, é muito fácil: invente um outro pseudónimo. Ou publique utilizando o mesmo pseudónimo, entrando em diálogo com a sua própria identidade: talvez aí aconteça literatura. Em que medida o facto de o público saber quem é Elena Ferrante prejudica o acto criativo da personagem Elena Ferrante? Como é evidente, não tem como prejudicar. Ora, com tanto choro, parece-me que há aqui publicidade a mais e poder literário a menos.

There’s an essay by TS Eliot from 1919 called “Tradition and the Individual Talent”. He talks about personality – and how creative work is a means of escaping personality. This is the I Not I that is difficult to explain. You lose yourself, yet you are most clearly yourself in the creative act.

Outro argumento deprimente. A diferença entre fuga da personalidade, heterónimos e ficção da autoria é do tamanho da Oceania, caso contrário os malucos seriam todos sucessos literários. Há até quem cite Fernando Pessoa. Nada mais absurdo. O nosso famoso empregado de escritório criava personagens num jogo de imaginação e até os publicou em vida, mas não consta que tenha feito qualquer esforço em se esconder da sua autoria, até me parece bem o contrário, que o pobre coitado Fernando Nogueira teria dado tudo para conseguir viver do seu trabalho literário. Daí ter tentando criar uma editora, logicamente, um rotundo falhanço. Mas precisamente porque o interessava o artifício na página e não o folclore extra-discurso, os heterónimos eram expressões da imaginação, e o Fernandinho nunca sentiu necessidade de gastar demasiado tempo com o protocolo literário, ou a fugir da suspensão da incredulidade. Era demasiado bom escritor para ficar dependente de um artifício típico do burlão rural. Com efeito, os heterónimos não perderam nada da sua eficácia pela descoberta do seu autor real, pois foram preenchidos com uma personalidade, ao contrário de Ferrante que encheu a sua dupla vida com relatos de novela das oito. Pessoa era, com todas as suas forças trágicas intensificadas pelo álcool, um puro literato e não - por paradoxal que pareça - um vendedor especializado em marketing de vendas. Ou seja, vendia metáforas e artifícios de linguagem com recurso ao alfabeto, não vendia livros ou mistérios com recurso a críticos e entrevistas. O artifício literário sobrevive ao mecanismo de produção da verdade. Ou melhor, o mecanismo literário cria a sua própria verdade, não precisa do mundo para nada.

Sobre a questão do interesse público da revelação da fortuna de Elena Ferrante: desde há muito, os grandes sucessos literários são procurados, investigados, escrutinados, por interesse comercial e por um genuíno interesse do público. Se é relevante conhecer a conta bancária de Ferrante? Bem, inclino-me para uma posição geral de abolição do sigilo bancário e não vejo razões para os escritores beneficiarem de protecção especial. Há quem tenha seguido uma linha de defesa mais elaborada, não vendo em que medida o estudo da literatura beneficia com estes conhecimentos.

Scholars work with books over centuries; I don’t believe the study of literature needed Gatti’s help.

Meus amigos e irmãos em Cristo, ainda recentemente, foram publicadas as cartas íntimas de Nabokov para a sua mulher, para dar um exemplo. Postumamente, é certo. Contudo, é curioso notar como se exige tanto dos políticos e dos banqueiros e tão pouco de outras profissões, a começar pelos escritores, quando poucas coisas existem tão carregadas de significado político como uma autora que facturando milhões, opta por não utilizar a influência da sua persona na vida pública da sua comunidade. Foi a este estado de infantilidade moral que chegámos meus caros amigos.



Bem, percebemos agora porque aparece esbaforida e a correr, tanta a gente de mãos na cabeça, perante o fim do mistério, e suspeito que a última das suas preocupações seja a literatura. Basta pensar na indigência dos argumentos utilizados.

Her anonymity has been a protest against those who can no longer read books as works of fiction. What’s interesting about novels isn’t that they imitate life, but that the ways in which they perform reality aren’t the ways in which real reality works.

É exactamente o contrário, meus caros leitores. Se os romances não funcionam como a realidade, qual a razão de convocar a suposta existência real de uma Elena Ferrante para justificar a coerência interna ou a pertinência artística dos seus romances? Respeitemos o público! A encenação de Ferrante é como uma gigantesca cavilha cravada no coração da literatura, como se o discurso não fosse suficiente para mover a imaginação dos leitores, como se a mera declaração de um outro nome já não tivesse a força necessária para colocar em marcha um novo mundo, como se as palavras impressas na página já não fossem capazes de levantar um cenário convincente, como se a linguagem tivesse perdido o poder de inventar personagens mais reais que o mundo real. Ferrante não acreditou o suficiente na literatura, precisou de um enredo falso para intensificar a sua mensagem e com isso, não cometeu crime nenhum, antes pelo contrário, jogou precisamente com as regras de todos os dias, inventou uma treta real, ou seja, feriu de morte a literatura. Aos autores pede-se maior coragem para aguentar a indiferença do mundo perante o discurso. Ferrante quis furtar-se a esse derradeiro teste, quis ignorar o esvaziamento dos discursos escritos às mãos dessa superabundância de ecrãs e imagens, e cavalgando o discurso mediático, venceu pela meta-literatura. Não considerou a personagem «Elena Ferrante» com força suficiente para se aguentar para lá da charada barata da sua autora. Foi porque Ferrante quis passar como autora confessional, foi porque, sem avisar o leitor, Ferrante quis apresentar a ficção como um livro de memórias real, que paga agora este preço, embora o dinheiro, graças a deus, já não seja um problema para ela.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

O sofrimento, as emoções, a sensibilidade, o trabalho da linguagem, uma grande narradora contemporânea, paga aí a minha tosta mista

Vamos contar a história resumida em cinco actos, para quem não tem tempo para os anestesiantes meandros do nosso pobre meio editorial. Era uma vez uma gaja alegadamente chamada Elena Ferrante, uma desenxabida escritora como milhares de outras: 


Portanto, quase não vendeu, passou completamente despercebido. Nada de novo, acontece.


Não vamos agora citar Kant e o seu famosíssimo artigo «O que é o Iluminismo» onde se pergunta logo a abrir e sem merdas: o que significa controlar o próprio entendimento? Significa ter calma, e não correr logo à livraria quando um crítico qualquer, numa revista chegada pelo paquete vinda dos países civilizados, recomenda uma qualquer fulana, por ser estimulante (quanto a estímulos não recomendo ao leitor o recurso à literatura) chamando a atenção para o carácter privado da sua existência. Ou seja, num mundo onde os escritores fazem figura de urso em tudo quanto é meio de comunicação, o interesse em Elena Ferrante decorreu em 99% do facto de ninguém saber quem diabo era a Elena Ferrante, como prova o excelente artigo de Annalisa Merelli, «Elena ferrante's writing is better in english than italian». Todavia, o truque é antigo, é permitido, é inteligente e dá dinheiro. Só podemos lamentar não termos, pois, a fortuna de Ferrante no nosso bolso, restando-nos continuar a trabalhar, Domigo a Domingo, incluindo toda a semana e grande parte dos feriados.


Aqui meus caros leitores, começam os apuros. Quando o escritor em vez de proclamar um sonoro «não me fodam o juízo» e acrescentar: «leiam os livros, façam bom proveito e paguem o que devem», se põe antes com justificações infantis, arriscando passos no pântano fétido da filosofia política. Enlameou-se o escritor, pois claro. Se os estimados leitores podem passar sem os meios de comunicação, já Ferrante não passaria, nem passará, sem os meios de comunicação, como bem sabemos. Aliás, os meios de comunicação querem caras, personagens, protagonistas excêntricos. Sim, tal como os editores e os escritores, por isso, Ferrante e os seus editores ajudaram a criar o totalmente lateral e desinteressante mistério acerca da identidade da autora, provavelmente, um anonimato inicialmente devido ao medo do estrondoso insucesso - que começou por verificar-se - medo do insucesso ainda mais assustador quando a cabeça do autor é a de alguém ligado profissionalmente à edição e aos livros.


Passemos esta cornucópia, cujo interesse é apenas o de comprovar como a literatura ainda não entrou no século XXI, ou como diria um homem do povo, não me roubem o pão. Moral desta moralizante história:


The best way to read:

Elena Ferrante, algures na Arábia Saudita.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Agora que o alf voltou achei por bem pôr isto aqui


do não menos espectacular scorpion dagger

A Bíblia grega e a economia das mordidelas

Numa aliança cósmico-deprimente o universo em todos os sentidos e extensões conjugou-se numa semana fundamentalmente triste. Este autor foi obrigado a ter conhecimento de uma belíssima entrevista onde valter josé antónio hugo saraiva mãe se queixa do poeta Vasco Gato, pessoa sensível em todos os sentidos, caracterizada literária e academicamente por ser um jovem poeta e ser humano muito promissor, isto vai para mais de vinte anos. Não vou entrar em pormenores sobre o incidente, tendo em conta que nessa mesma entrevista (e aviso todas as adolescentes com ligações ao Opus Dei) o referido escritor das Caxinas (terra de Fábio Coentrão) aparece integralmente nu a passear a mangueira num corredor. Também não quero com isto ser acusado de homofobia, adoro homens - Grimaldo, Lindelof, Pizzi (este também já fotografado, embora acidentalmente, em nu integral), só para referir três exemplos morfológicos muito distintos - mas considero lateral à arte da literatura a exposição pública dos órgãos genitais, no fundo, sou um gajo que apenas gosta de livros.

Por outro lado, a entrevista, e sem ponta de reprocessamento, é uma entrevista interessante, quanto mais não seja por vermos um gajo que fala de coisas, e não se esconde apenas em tópicos de neuromarketing acerca do sofrimento humano. Deve ter sido a primeira vez que um autor falou do preço de um livro e se acertaram contas com quem de direito, sobretudo com gajos que fazem as vezes de sofredores e devem ser uns gajos sofredores com muita capacidade de comercializar o seu sofrimento, pelo que temos todos a agradecer ao valter josé antónio hugo saraiva mãe, o facto de ir a jogo com mexericos da sua própria lavra, metendo os colhões no lume, e não invocando qualquer auxílio do reino dos mortos. Os meus parabéns. Só falta começar a escrever bons livros.

Por outro lado, o cervejeiro amador, Afonso Cruz, foi agraciado com 15 000 euros, na sequência do prémio literário Fernando Coitado Namora, cuja verba foi arregimentada pelo Estoril Sol, yeah, e com um júri presidido pelo boneco embalsamado, Guilherme de Oliveira Martins, uma pessoa que deve a sua carreira a um remoto grau de parentesco com um amigo do cônsul de Portugal em Paris, José Maria o Espertalhaço Eça de Queirós, júri esse onde se conta ainda um membro da Associação Portuguesa de Críticos Literários (com francas relações de amizade com a Associação Portuguesa de Protecção da cabra do Gerês). O valor pecuniário em apreço, 15 000 euros, é bastante simpático, sobretudo por se ter anunciado que a cabeça de Salman Rushdie só vale cerca de 500  mil euros, segundo os ai-atolas do Irão, o que eu desconhecia em absoluto, caso contrário, talvez tivesse considerado uma outra saída profissional. Justa, portanto, esta menção ao autor de Flores, Afonso Cruz. A literatura, o turismo, a cerveja e todos os escritores de simpatia marxista a quem já só resta um nome, estão de parabéns.

A encerrar esta improvável sequência de acontecimentos bastante prováveis, José Tolentino Mendonça escreve sobre a tradução do livro mais estafado de todos os tempos, a Bíblia. Como é comum no nosso quintal, Frederico Lourenço meteu-se no quintal do vizinho e foi agraciado com o chamado cartão amarelo, pois segundo o vice-reitor da Universidade Católica, «é bom não morder a mão que nos dá o pão» isto pelo singelo facto de Frederico Lourenço, um católico convicto, se ter arriscado a dizer a impossível máquina de perversidades que se transcreve em seguida:


E remata Tolentino Mendonça, ponta de lança da interpretação organizada num colégio com voto de castidade, a Igreja: «Cada um tem direito à sua naiveté e às ilusões que quiser, mas entendamo-nos: não existe “a tradução” da Bíblia.» Com isto, crava uma rebrilhante e franjada bandarilha no cachaço taurino de Frederico Lourenço, ponta de lança da interpretação organizada num colégio sem voto de castidade, a Universidade.

Pois é caros leitores, saudemos a festa da vida e celebremos o facto de termos vivido o tempo suficiente para vermos um teólogo oficial da Igreja Católica, a invocar a pluralidade das interpretações, para se defender do contra-ataque universitário das Humanidades, desta feita, Humanidades decadentes e forçadas a disputar o parco alimento disponível no campo da auto-ajuda, pois que já só isso resta. Quando são muitos os cães a disputar um naco de pão, já muito velho e bolorento, é normal acabar tudo à dentada, pelo que apenas posso recomendar ao avisado leitor: cuidado com os dedos, quando for alimentar cães demasiado esfomeados.

Conheça algumas das principais doenças que afectam os cães

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Os livros

A Inês Fonseca Santos introduziu um novo problema na literatura, a saber, como é que um gajo se constitui cidadão de pleno direito no mundo das pessoas sensíveis: boa noite, bem-vindos aos livros, são 14 euros e 50 cêntimos: Pim. De igual modo, no fim da ceia tomou o cálice, e apresentou o livro de Valério Romão, com toda a certeza uma natureza (trau) sofredora com as suas experiências pessoais e públicas (Pim), pois só um gajo traduzido nas mais diversas línguas (incluindo a Suiça), pode aspirar a dizer alguma coisa sobre a natureza humanóide, embora a língua da Inês Fonseca Santos deva estar fora de um texto que se quer credível, responsável, profundo (trau) e mais que tudo, decente. Em defesa da literatura, dos livros, e do mundo em geral, só posso dizer-vos: TRAU.

Crianças, Hospitais e patologias, ora aí estão três tristes temas que fazem a eleição dos intelectuais de esquerda e das medicinas alternativas, mas longe de mim entrar numa polémica em torno do sofrimento de cada um (Milton Friedman já o disse, a cada um a sua filha da putice), mas como diria esse cabrão de Turim, Frederico o Grande filho da puta Niezzscchzhese (viva o acordo Ortográfico) os poetas - esses filhos da puta - são impúdicos para com as suas vivências, e se são impúdicos, ora bem (trau) terão de levar com a crítica crítica, pois Marx - cuja filha se matou de pobreza, miséria e desejo de ser grande - passou as passas do Algarve e Além Mar para conseguir elaborar uma teoria lógica e sistemática do capitalismo (incluindo os filhos da puta dos escritores) onde - hoje em dia - todos mijam sem qualquer noção do mijo. Não quero com isto dizer que os livros são um comércio como outro qualquer, pois é muito pior quando os livros, não sendo um comércio, acabam como substitutos da palavra divina, uma teologia da palavra voando sobre as águas sujas do estruturalismo, uma panaceia para as dores espirituais, um substituto da catequese, uma versão de auto-ajuda revista e alegadamente (pela Inês Fonseca Santos - a grande cavalona) melhorada, isto é, a cura dos paralíticos, a lição parabólica do rabi palestino - esse terrorista árabe educado no judaísmo chamado Jesus - quando colocando dois dedos no lodo, os esfregou nos olhos do cego: senhor, senhor, lembra-te de mim quando vieres como o teu reino (trau). Pois a literatura, não é mais que religião privatizada e vendida em fascículos.

A relação entre uma relação em ruínas e o incumprimento de um sonho - segundo Valério Romão (um homem traduzido na Suiça) ou ainda mais, segundo a princesa egípcia (desculpem) e torturadora do nosso sono, a Inês Fonseca Santos - são o grande tema deste excerto da cultura ocidental, o programa Os Livros, onde se fala de silêncio, incapacidade, medo, e incongruências das instituições - essas costas largas da civilização moderna (e que são sempre pau para toda a obra) - um programa apresentado pela incomensuravelmente sábia, porque talvez distante (Deus nos ajude), Inês Fonseca Santos, pois da instituição da literatura (essa antologia de santos laicos forjados pela nova religião, a sensibilidade, dada à estampa por esse grande maricas e abandonador de crianças, o Jean-filho-da-puta-Jacques-e-muito-meu-amado-Rousseau) ninguém trata das incongruências ou medos (trau) pois que é ganha pão de muito malandro. Pim. Pam, Pum.

Mas queria mesmo era falar dessa trilogia das paternidades falhadas, se paternidade falhada estiver relacionada com a doença - que espreita sempre ao virar da esquina - pois não estou a ver bem onde reside a diferença entre o livro Autismo e o Prometo Falhar do Pedro Chagas Freitas, a não ser no facto de não termos os nosso livros lidos pela boca ululante e pacificadora da bela e monstruosamente bela, Inês Fonseca Santos, a de olhos decapitadores da nossa tranquilidade. Pim. Dizia eu que, pois claro, se a doença e a eterna patologia da denúncia (os terapeutas são santos que nos falham) vão facturando o lucro das nossas fragilidades (sem ensinar nada ou arriscar nada), a paternidade falhada é uma coisa que nos não deve merecer muitas lágrimas, se tivermos coragem para nos foder todos uns aos outros (o que é o motor do progresso), sendo fiéis ao silêncio sobre a nossa privacidade e combatentes jihadistas desse acidente estatístico que é a doença - grande ganha pão da nossa contemporânea idade - à qual (doença) não desculparemos nada, pois que estamos apostados em contrariar a natureza do poder e o poder da natureza. No fundo - o leitor já adivinhou - este alf é um gajo com inveja do Romão (voilá) sendo muito justamente a inveja que move os portugueses e o mundo, e eu assim me confesso invejoso de não ser violentamente criticado (com chicote e napa) pela Inês Fonseca Santos, mesmo que economicamente isso não fosse grandemente favorável, embora, dito de outro modo, a vontade de poder passe pelo domínio do eterno feminino, razão pela qual existem hospitais, crianças e autismo: no fundo, quem nos fode são as mulheres: o senhor seja louvado, bem dito seja o senhor Deus.

Basta ouvir esse guerrilheiro mexicano, o Valério Romão, para não descortinar qualquer diferença com um mau episódio de uma novela da TVI - a não ser preferirmos gajas boas afogadas no drama a dramas sem gajas boas e relatados pela boca de um guerrilheiro mexicano. «Intensidade e profundidade» - diz a Medusa letal que leva no seu abençoado colo a cabeça apaixonada de Perseu, ou seja, a minha - repito, intensidade e profundidade (trau, trau, trau) que «Valério Romão explora a seu favor, isto é, a favor da história que cria, através de recursos como a linguagem que acelera e abranda ao ritmo das personagens e da estrutura narrativa que dispensa regras», isto diz a Inês Fonseca Santos (daqui em diante IFS, ou seja, Isto Foda-se Só-se-chorando, mas já assentámos que não, como diria o Vergílio Ferreira). Também nós dispensaríamos todas as regras num mundo onde a Inês Fonseca Santos nos pudesse conduzir por corredores de bibliotecas com livros e livros e livros, e onde o confessionalismo das personagens fosse apenas um pretexto para criticarmos cada centímetro do seu corpo mediático (salvo seja a vossa vontade, assim na terra como na biblioteca) corpo mediático explorado por uma política de educação pública paga pelo Orçamento devidamente vigiado pela Unidade Técnica de Apoio ao Orçamento, mas ainda assim, política largamente compensadora de todos os sacrifícios feitos pelo povo português desde a crise financeira de 2008; «O aviso está escrito, não dá para escapar. Até aos próximos livros». 

E a Inês Fonseca Santos (trau) devolve o livro às prateleiras, indiferente ao seu poder de acumulação da poupança, uma mulher criada nesse espaço perverso das ligações entre a cultura, a Escola de Frankfurt e a alocação de recursos públicos, e a gaja - do alto da sua autoridade literária - avisa cada um de nós (e cada um de vós, leitores deste blog) que no caso de um dia aspirarmos ao banquete dos eleitos, teremos de colocar o nosso chapéu de guerrilheiro mexicano, e invocar esse supremo calcanhar de Aquiles da nossa civilização - o sentimentalismo -, no fundo, somos todos habitantes da Casa dos Segredos a quem os pais - por benefício da economia de mercado - pagaram estudos superiores de letras, embora no nosso coração, sagrado, sejamos tão iguais como todos esses anónimos leitores de Pedro Chagas Freitas (embora  Teresa Guilherme no Domingo tenha empurrado as mamas - um pouco já decrépitas - contra um vestido de lantejoulas) o que em nada, por ser a TVI uma empresa de direito privado, deve perturbar os contribuintes (iguais em esperança e caridade) que pagam os Hospitais (essas instituições medonhas) onde não se tem em conta a economia específica do autor, para grande pena nossa, pois cada dia sofremos horrores por não poder fazer feliz e habitar (cada um dos centímetros de toda a falha) que porventura possa perturbar a Inês Fonseca Santos, et in saecula saeculorum, sabendo, todavia, como no fundo, gostaríamos era de estar no lugar mediático, topográfico e erótico do Valério Romão, autor muito justamente consagrado e constrangido, a quem, e desde já, desejamos - com toda a sinceridade - muitas e muitas felicidades.

A literatura como saída profissional.

Ora aí está uma coisa que pode sempre acontecer: